Poder

Juíza manda fazer perícia para descobrir se houve fraude na gestão de João Castelo

O Ministério Público assinala, com base no inquérito civil, que foram constatadas inúmeras falhas de segurança no SIAT do Município de São Luís entre 2009 e 2012.

3-joao_castelo_-_prefeito_e_candidato_a_reeleicao

A juíza titular da 1ª Vara da Fazenda Pública da Capital, Luzia Madeiro Neponucena, determinou a realização de perícia no Sistema de Arrecadação Tributária do Município de São Luís (SIAT) da Secretaria Municipal da Fazenda (SEMFAZ), com vistas a comprovar eventuais falhas de segurança e controle em sua operação durante a gestão do ex-prefeito de São Luís, João Castelo.

A decisão resulta da Ação de Produção Antecipada de Prova do Ministério Público do Estado do Maranhão, formulada com base no Inquérito Civil nº 01/2016, da Promotoria de Justiça da Ordem Econômica e Tributária, que apurou suposta fraude na expedição de Certidão Negativa de Débitos Fiscais, da SEMFAZ.

Em face da complexidade da auditoria requerida, que envolve várias áreas de conhecimento técnico, a juíza Luzia Madeiro Neponucena nomeou dois peritos para a realização do trabalho. Eles terão o prazo de 30 dias para apresentar o laudo pericial, respondendo as seguintes questões: se houve efetivamente fraude no SIAT, no período de 2009 a 2012, e quais as falhas detectadas no referido sistema; quem eram as pessoas que operavam o sistema e se elas possuíam algum tipo de senha para tal; se houve prejuízos ocasionados ao SIAT e, em caso positivo, em que circunstâncias.

m_28112016_1408

O Ministério Público assinala, com base no inquérito civil, que foram constatadas inúmeras falhas de segurança no SIAT do Município de São Luís, entre elas o acesso de qualquer funcionário, permitindo-o dar baixa em débitos tributários ou emitindo o documento negativo de débito fiscal, sem que o sistema identificasse o funcionário responsável pela operação.

Os fatos denunciados ocorreram no período de 2009 a 2012 e constam nos autos dos inquéritos civis nºs 042/2014 e 003/2015, iniciados na 30ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, e depois encaminhados à Promotoria de Justiça da Ordem Econômica e Tributária, que instaurou o Inquérito Civil 01/2016.

A peça inicial esclarece que até o ano de 2014, a empresa que operava e gerenciava o SIAT/São Luís era a DSF–Desenvolvimento de Sistemas Fiscais LTDA, com sede em São Paulo, tendo sido substituída pela empresa CTA–Centro de Tecnologia Avançada LTDA, sediada no Maranhão.

De acordo com o Inquérito Civil 042/2016, foram sugeridas auditorias no Sistema de Arrecadação do Município, contratação de empresa especializada e investimentos em segurança no sistema, porém “mesmo após várias manifestações ministeriais (…) requerendo informações da Secretaria Municipal de Fazenda sobre as providências (…), a referida secretaria nunca encaminhara informações satisfatórias e conclusivas”.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

3 comentários em “Juíza manda fazer perícia para descobrir se houve fraude na gestão de João Castelo”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. Ernandes

    Que seja esclarecido o mais rapido possivel!

  2. Breno

    Vamos esperar o resultado então

  3. Joao da Elza

    Blogueiro.
    A materia só erra quando fala de Jorge Arturo e Elda.
    Os verdadeiros donos da CTA são outros. A CTA segundo consta na JUCEMA é de uma mulher chamada Dionea e um homem chamado Neto.
    Acho que ficar atrelando o nome desse pessoal de escandalo da SEFAZ com a CTA, só queima o nome da empresa, que parece ir muito bem, sem esse povo de escandalos em seus quadros.
    Mas, dizem que os esquemas na SEFAZ só acabaram depois que essa DSF saiu.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários