Poder

Doações complicam Luciano Leitoa em Timon

Caso sejam comprovadas as denúncias o candidato pode ser cassado e se tornar inelegível

prefeito-eleito-luciano-leitoa-psb-73185

O prefeito reeleito de Timon, Luciano Leitoa (PSB), tem complicações com a Justiça Eleitoral, após receber doações de campanha irregulares. Entre as doações ilegais recebidas por Leitoa estariam quatro feitas por beneficiários do Bolsa Família, o que é vedado pela atual legislação eleitoral. Ao todo a Justiça Eleitoral identificou 2899 doações com indícios de irregularidades na campanha de Luciano Leitoa.

A Justiça Eleitoral identificou cinco tipos diferentes de doações ilegais que teriam sido efetuadas em prol do candidato: Doador inscrito em programas sociais do governo, quatro casos; Doador cuja renda conhecida é incompatível com o valor doado, dois casos; Doador sem vínculo empregatício conhecido nos últimos 60 dias anteriores à data da doação, sete casos; Fornecedores com relação de parentesco com candidato ou seu vice, revelando indícios de suspeita de desvios de recursos, 2816 casos; e concentração de doadores em uma mesma empresa, revelando indícios de doação empresarial indireta, 70 casos.

O juiz da 19ª Zona Eleitoral de Timon, Rogério Monteles da Costa está desde a semana passada intimando estes doadores para que esclareçam as doações e apresentem os documentos que comprovem capacidade financeira para fazer doações e cópia dos últimos registros de contrato de trabalho. Caso sejam comprovadas as irregularidades, o prefeito Luciano Leitoa e seu vice, João Rodolfo podem ter a sua prestação de contas reprovada, assim como a cassação do registro de candidatura ou diploma, além de sanção de inelegibilidade por oito anos.

Não é a primeira vez que beneficiários de programas sociais se envolvem em polêmicas no governo de Luciano Leitoa. No final de 2015 a tesoureira da Secretaria de Desenvolvimento Social (Semdes) da Prefeitura de Timon, Márcia Araújo da Silva, foi flagrada como beneficiária de forma ilegal do Programa Bolsa Família. A funcionária pediu desligamento voluntário do Programa, quando a notícia foi veiculada em jornais e blogs de todo o Maranhão, mas acabou sendo exonerada de seu cargo pouco tempo depois.

doacoesluciano


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários