Poder

CGU detecta que governo Flávio Dino não aplicou recursos na saúde

Auditoria foi realizada entre os meses de março e abril deste ano.

Uma fiscalização realizada pela Controladoria-Geral da União (CGU) detectou algumas desconformidades no Fundo Estadual de Saúde do estado do Maranhão. Os trabalhos de campo foram realizados entre os dias 16 de março e 20 de abril deste ano, sobre a aplicação dos recursos dos programas de aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS) e incentivo financeiro para a vigilância em saúde no Maranhão. À época a pasta da Saúde era comandada por Marcos Pacheco.

2

Conforme o relatório, obtido pelo Blog do Neto Ferreira, o trabalho destina-se a promover ações de notificação, investigação, vigilância ambiental, controle de doenças, imunizações, sistemas de informação, supervisão, educação em saúde, comunicação e mobilização social na área de vigilância em saúde, por intermédio de repasse de recursos financeiros do Fundo Nacional de Saúde para os fundos de saúde municipais, estaduais e do Distrito Federal. Os exames também verificaram a gestão de recursos e insumos aplicados em ações de combate ao mosquito Aedes Aegypti.

O relatório da CGU apontou intempestividade na aplicação dos recursos públicos federais destinados ao Bloco Vigilância em Saúde. Conforme o documento, no período de janeiro/2015 a fevereiro/2016, a conta do Fundo Estadual de Saúde recebeu a importância de R$ 23.961.114,82.

Em 29 de fevereiro de 2016,  o saldo da conta apresentou o significativo percentual de 64,14% do somatório do saldo em 31 de dezembro de 2014, acrescido do total de recursos recebidos no período acima citado. Desse modo, ficou constatado que a Secretária de Saúde do Estado do Maranhão não aplicou, de forma tempestiva, os recursos financeiros destinados à sua finalidade, que era o Bloco Vigilância em Saúde.

Outro ponto evidenciado pela auditoria é a utilização apenas parcial do Sistema de Insumos Estratégicos em Saúde (SIES). “Nas visitas ‘in loco’ realizadas à sede das regionais de saúde de Barra do Corda, Presidente Dutra, Itapecuru-Mirim, Rosário e Prefeitura de São Luís, verificou-se que estas gestões
descentralizadas não utilizam o SIES para controle e movimentação dos inseticidas utilizados no combate ao Aedes Aegypti”, aponta trecho do relatório.

Ainda de acordo com a auditoria, todas as regionais e a Prefeitura de São Luís utilizam sistemas próprios de controle. Apenas a unidade central da Secretária de Saúde do Estado do Maranhão utiliza o referido Sistema. “O uso parcial do SIES prejudicou a avaliação da adequação do controle de estoque utilizado nas regionais visitadas, tendo em vista que as informações disponibilizadas não puderam ser comparadas com o relatório gerado no SIES fornecido pela Secretaria de Estado da Saúde” destaca a auditoria.

1


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários