Poder

A eleição de São Luís é o reflexo da de 2018

Na política nem tudo parece o que é e nem tudo é o que parece. Por isso ela permite tantas interpretações, muitas vezes conflitantes, para um mesmo cenário.

Vejamos, por exemplo, o cenário que se desenha no mapa do Maranhão após o fechamento das eleições, ao apurarem as urnas neste domingo em São Luis.

Para alguns, basta somar os votos e declarar quem venceu e quem perdeu. Mas uma análise mais acurada tem que fazer a distinção entre o resultado político e o resultado eleitoral.

Eleitoralmente é muito fácil dizer que o grande vencedor foi o PCdoB, ao eleger o maior número de prefeitos. Acontece que os 46 eleitos, especialmente em municípios pequenos e médios, tem que ser postos lado a lado com os 57 derrotados do partido, o que ao final dá um saldo percentual de 44,6% de êxito eleitoral.

Comparando com os demais partidos esse resultado não se destaca. O próprio PMDB (46,2%) alcançou números melhores e o campeão foi o PDT (48,2%), que ainda pode acrescentar a jóia da coroa, São Luis, se as previsões das pesquisas se confirmarem.

Para dar uma ideia melhor desses números, até o combalido PT conseguiu êxito em 43,7%, praticamente o mesmo resultado do partido do Governo. No polo negativo ficam o Solidariedade, com apenas 13,3% e no mais retumbante fracasso o PPS (7,1%), que elegeu apenas um dentre seus 14 candidatos.

Esses são os números frios da estatística. Mas, como dizem, há três tipos de mentira: as simples mentiras, as mentiras grandes e as estatísticas.

Vamos então analisar os resultados não pela lógica eleitoral, mas pela lógica política.

Individualmente o grande vencedor, independente do resultado eleitoral, foi o deputado Eduardo Braide. Ele sai da disputa com uma estatura agigantada, ao ter enfrentado sozinho as duas maiores máquinas eleitorais do Estado.

Um nível abaixo, mas igualmente fortalecido, o deputado Wellington do Curso, que se cacifou para voos mais altos.

Já o prefeito Edivaldo Holanda, se confirmar a vitória, carece ainda de projetar mais nitidez se não quiser ser visto como um apêndice do projeto político do governador.

Pelo interior do Estado, novos nomes surgiram mas ainda é cedo pra saber se representam o afloramento de novas forças políticas ou apenas o espasmo de antigos grupos que retomam o poder. O caso mais notório é o do delegado Assis, em Imperatriz, que terá o grande desafio de construir uma identidade de liderança própria, sob o risco de ser triturado pela ciranda de problemas da administração da cidade.

Nos Cocais, nenhuma surpresa na confirmação da força do grupo Leitoa, em Timon, mas a surpreendente derrota do grupo de Humberto Coutinho embaralha o tabuleiro político na região.

Em Pinheiro, a vitória de Luciano teve ingredientes de ópera, com viradas no roteiro que ao final comprometeram a imagem do governador Flavio Dino.

Quando analisamos o quadro à luz de 2018 temos o inegável fortalecimento da candidatura do deputado Weverton Rocha, que soube se colocar como o candidato natural ao Senado sem aparentar concessões de identidade ao governador. Apesar da derrota em Imperatriz, caso ganhe em São Luis terá musculatura para conduzir seu projeto com desenvoltura e sem contestações internas.

Já o senador Roberto Rocha pode ser o caso mais nítido de resultados conflitantes entre o eleitoral e o político. Do ponto de vista eleitoral fez apostas ousadas e não teve êxito. Mas engana-se quem pensa que seu projeto era eleitoral. Sua intenção política era apenas demarcar o terreno da diferença com o projeto do governador. E nisso, sem dúvida, logrou êxito. Seu nome já desponta como o único em condições de aglutinar as forças políticas capazes de desafiar o poder instalado.

Já o governador Flavio Dino, ao contrário do senador, pode cantar uma vitória mais eleitoral que política. Nesse campo sofreu revezes fortes, especialmente ao colocar o prestígio do cargo em eleições como a de Imperatriz e Caxias. Escaldado, no segundo turno de São Luis só apareceu para comprar o bilhete premiado de Edivaldo Holanda. Sua estratégia de eleições anteriores, de formar um condomínio para vencer em qualquer circunstância, acabou não funcionando nestas eleições. Em 2014, posou com Eduardo, com Aécio e com Marina, para terminar com Dilma, quando já sabia da vitória. Agora retardou até o ponto em que as pesquisas assinalaram a vitória, fora da margem de erro, de Edivaldo Holanda.

Pode até parecer esperteza, mas para a imagem política a margem de erro não é estatística. As cartas estão na mesa. Que venha 2018.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários