Poder

Idioticídas

Por Abdon Marinho

Abdon Marinho.

Abdon Marinho.

Cada vez me esforço mais para acreditar que o Brasil não está se tornando uma nação de idiotas, de imbecis. O esforço torna-se maior a cada dia que passa. Não bastasse o mau gosto que tomou conta de tudo que se convencionou chamar de cultura popular, somos obrigados a conviver com a idiotia que toma conta de todos os demais setores da sociedade.
Muitas das vezes faço de tudo para encontra um sentido lógico, racional para determinadas coisas e não consigo. Nesta oportunidade aproveito para pedir ajuda aos amigos no sentido de me fazer entender o que está acontecendo.

Vejam essa, com a falsa desculpa de igualar os gêneros fizeram editar uma lei para que passássemos a chamar a presidente de presidenta. Quando pensava que esse tipo de insanidade tinha cessado, hoje, na rádio, programa voz do Brasil escuto mais. Nesta data, na presença de todas as autoridades, foi apresentado o relatório da CPMI que apurou a violência contra a mulher, uma chaga que o Brasil precisa combater sem trégua, assim como precisa combater a violência contra as crianças, os idosos, todas as demais minorias e até contra os animais. Precisamos combater toda violência, que cada vez mais está presente e banalizada nas nossas vidas.

A presidente se comprometeu a acatar as sugestões da comissão. Por sua vez o presidente do Congresso Nacional, se comprometeu a colocar em votação todas as sugestões de projetos de lei no sentido de aperfeiçoar a “Lei Maria da Penha”, inclusive a lei que cria a tipificação penal “feminicídio”. Levei um susto. Feminicídio, é isso mesmo, dentre as sugestões para combater a violência contra a mulher vão votar um criando esse tipo penal. Alguém sabe me dizer a relevância desta tipificação no combate à violência doméstica? Me ajudem, pelo amor de Deus. Eu quero só entender.
Doravante homicídio será aplicado apenas nos crimes contra os homens, nos crimes contra as mulheres será o feminicídio. Talvez haja um sentido para isso, só queria era saber qual.

Os dicionários trazem uma definição bem singela do que seja homicídio, dizem: “ho.mi.cí.dio (lat homicidiu) sm Ação de matar uma pessoa, voluntária ou involuntariamente; assassínio.”

Vejam se refere a pessoa, tanto faz para homem, mulher, etc, muitos “eteceteras”, aliás.
Querem uma definição própria por que a palavra homicídio é um substantivo masculino? Seria isso? Não estão levando além do razoável essa mania do politicamente correto?

Vejamos, teremos homicídio, “feminicídio”. Mas não seria uma discriminação contra os gays? O indivíduo mata o gay estaria cometendo “gaycídio”? Quem sabe um bibacídio? Um bichacídio? Vejam o absurdo. Ora, tais definições não estaria por discriminar as lésbicas? Então teríamos que criar uma definição mais apropriada e politicamente correta, quem sabe “lesbiacídio”, numa definição mais jocosa poderiam chamar “sapaticídio”. E como ficariam as outras denominações e variações sexuais que nos dias atuais são tantas? Criar-se-ia uma tipificação penal para cada uma delas?

Não faço juízo de valor sobre a luta pela igualdade de gênero, pelo respeito que deve haver entre todos os seres humanos. Se era para mudar alguma coisa porque ao invés de colocar essa tolice de gênero não colocar “humacídio”? Não seria mais apropriado? Na verdade não vejo sentido algum nisso, acho que a definição atual atinge ao fim a que se destina.

O Brasil precisa acabar com esse tipo de inovação sem sentido, a seguirmos assim logo mais viraremos uma piada, se é que já não somos. Uma nação de idiotas poderá vir a ser vítima de algum tresloucado “iditicída”, não acham?

Abdon Marinho é advogado eleitoral.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários