Poder

1888 também no Maranhão

Por Abdon Marinho

Já se passaram 125 desde a princesa Isabel assinou a Lei Áurea e pôs fim a escravidão no Brasil. Aqui no Maranhão ainda precisamos de uma lei assim. Aqui as pessoas insistem em querer ou a atribuir donos as pessoas. Como se os seres humanos não fossem nada.

Ontem, por conta da eleição do quinto constitucional pela seccional da OAB/MA, me vi envolvido em algo assim. Um jornalista disse que eu já havia sido incluído na lista sêxtupla, como cota-parte de meus supostos “donos”. Mais uma vez, como se tornou corriqueiro no Maranhão, ninguém procurou ouvir as pessoas envolvidas na trama sórdida. Felizmente o resultado da eleição veio a desmentir a patranha com relação a minha pessoa. Tive seis votos que me honraram bastante, porém insuficientes até para chegar perto de integrar a lista. Paciência.
Aqui é assim, nos acusam sem provas ou qualquer fundamento. E nós é que temos que provar que somos inocentes. Recebi minha não indicação até com certa alegria, pois ali estava a demonstração, diferente do que fora afirmado, que não fiz parte de qualquer procedimento capaz de gerar dúvida quanto a minha honra ou dignidade pessoal. Como diria certo jornalista, pessoas honradas fazem assim.

Apesar de desmentido pelos fatos, as matérias em continuação ao “furo” de ontem, não conteve um mísero pedido de desculpas. Pessoas honradas se desculpam quando atacam a dignidade das pessoas. Aliás, pessoas honradas não atacam a dignidade de ninguém.

Quem me conhece sabe que jamais aceitaria fazer parte de qualquer coisa assim, participar de jogo de cartas marcadas. Fui candidato da forma que acredito que deva ser, preenchendo os requisitos, mostrando quem sou e sendo sabatinado pelos membros do conselho. Foi assim que fiz, meu único ato de campanha foi uma carta endereçada aos conselheiros eleitores, contando a minha história de vida. Sequer pedi votos ou visitei qualquer um. Não fiz isso por desapreço e sim por entender que um colégio eleitoral de tão elevado nível sabe escolher, com altivez, sabedoria e compromisso aqueles que melhor representam a instituição com tão elevado cargo. Como fizeram. Os escolhidos, assim como os demais concorrentes, preencheram os requisitos e os conselheiros entenderam que os seis eleitos são os que melhor representam a categoria. Essa é uma prerrogativa do conselho que não cabe, sequer , se indagar.

O objeto deste post é outro. É o atraso que se impõe a todos os cidadãos está deste ou daquele lado. Estamos na Idade Média onde todo cidadão tem um senhor. Ontem disseram que eu era do grupo A porque fui advogado e sou amigo de determinado cidadão. Mas também fui advogado de outros cidadãos do grupo B, tenho diversos clientes do lado B. Ainda assim, sou e pronto.

No império da estupidez os estúpidos sequer permitem que alguém mude de lado, que não tenha lado ou que seja crítico ou acrítico a ambos os lados. Condenados no nascimento. Nascestes Montecchio morres Montechio, nascestes Capuleto, morres Capuleto. Risível.
No Maranhão ainda somos tratados assim, como se fossemos gado, como se não tivéssemos a capacidade de termos nossas próprias idéias, de sermos donos do nosso próprio destino. Falta mais de um ano para as eleições e já escolheram os candidatos de cada um e não podem mudar. Rsrs.

Em pouco mais de uma década já fui chamado de ricadista (quando Ricardo Murad, ingressou no PSB, partido ao qual sou filiado desde 1991, primeira e única filiação), depois de jackisista, em seguida de reinaldista, agora que estaria na cota dos dinistas. Não posso deixar de lembrar que outro dia teve algum mais saliente que me chamou de roseanista, isso pelo simples fato de ter dito numa entrevista que achava positivo — independente de qualquer ato de corrupção que tenha ou não havido –, a construção de hospitais e estradas, por parte do governo do estado, foi o que bastou para dizerem que estava pleiteando favores. Vejam que nunca cruzei a soleira da porta de nenhum destes senhores e senhora. Nunca freqüentei suas festas, casamentos ou batizados. Nunca privei de nenhum tipo de intimidade com nenhum. Não sei onde moram, que ambientes freqüentam, se já falei com algum foi em ambiente público ou no meu escritório onde estou todos os dias e recebo quem me procura.
No Maranhão estamos condenados a nunca termos uma opinião própria e podermos manifestá-la livremente. Tornamos-nos uma terra de escravos, de servos. Pior, de pessoas livres com almas de escravos. Talvez esteja na hora de entendermos que o 1888 já aconteceu e faz muito tempo, só precisa chegar aqui.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Um comentário em “1888 também no Maranhão”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. PROF. NILTON CARLOS

    E na educaçao do estado,o feitor Pedro Fernandes manda e desmanda ,botando todos seus capachos para admoestrar os professores. Um tal Saraivete da URE Sao luis bota seus amiguinhos em cargos de Diretores de escolas,num verdairos desrespeitos aos principios da LDB,que enseja uma gestao democratica e participativa nas escolas. Em uma escola da Ivar Saldanha (Coelho Neto) a falta de respeito eh enorme com a comunidade escolar,onde esse Saraivete quer botar seus paus mandados para bagunçar a gestao escolar….Os professores,funcionarios e alunos estao p da vida com saraivete, e pretendem dar o troco na semana vindoura.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários