Poder

Membro do CNJ é entrevistado no Portal da Assembleia

O representante do Senado no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), conselheiro Bruno Dantas, que veio ao Maranhão no dia, 01,  para debater na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MA), os poderes e limites do CNJ (reveja), concedeu entrevista ao programa Portal da Assembleia, da TV Assembleia, sobre o papel do CNJ e a recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de manter os poderes do organismo.

Bruno Dantas representante do CNJ

Bruno Dantas representante do CNJ

Dantas disse que o papel do CNJ é tornar o Judiciário mais ágil e próximo ao cidadão, aspirações, segundo ele, reveladas pela opinião pública por meio do apoio manifestado ao Conselho, durante o julgamento no STF.

De acordo com Bruno Dantas, que já foi integrante do Conselho do Ministério Público, o CNJ foi criado, há seis anos, para integrar o Poder Judiciário e a fiscalização da gestão administrativa e financeira do Judiciário. Dantas afirmou que não havia fiscalização, principalmente no Judiciário dos Estados, e estes pareciam ilhas distantes e assim era o maior ralo de desperdício do dinheiro público.

O conselheiro garantiu que, resultado de maior tomada de consciência por parte da população, foi criado o CNJ, e que, na próxima semana, o Senado vota uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) ampliando os poderes do Conselho, para garantir que não venham a acontecer novos questionamentos.

Bruno Dantas enfatizou que a primeira missão do CNJ é dar maior transparência às ações do Judiciário, atuação que é aprovada pela população, e que as corregedorias nos Estados tendem a mudar e apresentar maior atuação, caso contrário, serão alvo do Conselho.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários