Poder

A horta que não deu frutos em Bacuri no Maranhão

Em convênio firmado com o Governo do Estado do Maranhão, através de uma Associação de Produtores Rurais no bairro do campinho, na cidade de Bacuri, ao valor de R$ 140 mil para a horta comunitária do município.

A verba que foi prontamente liberada pelo governo indo diretamente a conta da Associação dirigida por Luciana do Campinho, para executar trabalho com aplicação dos devidos recursos que seriam utilizados para alimentar pessoas carentes que vive na extrema pobreza.

Foi ai que a mando do Prefeito do Município de Bacuri, Washington Oliveira, dois homens de confiança conhecidos como Rozendo e seu irmão Zaqueu Coutinho, os sujeitos tentaram convencer a presidente da Associação a efetuar o saque dos recursos oriundos do Governo do Estado. Sem sucesso!

A presidente negou o pedido, por se tratar de processo de prestação de contas e sabendo que a fiscalização poderia bater em sua porta a qualquer momento, não se ariscou ao tamanho descalabro.

Com a resposta negativa recebida, o prefeito de Bacuri Washington Oliveira, marcou um encontro com Luciana do Campinho onde a mesma ouviu vários relatos do gestor dizendo. “Amiga Luciana vamos tirar o dinheiro da conta, pois estou precisando quitar uns débitos e daqui a mais ou menos um mês eu lhe darei uma boa quantia para ficar tudo certo”, disse o gestor durante reunião.

Luciana levantou-se da mesa e novamente negou o pedido insistente do prefeito que pretendia cometer o ato ilícito.
Ao se passar 15 dias, a presidente da Associação foi ao banco efetuar um saque da verba que estava aplicada na conta corrente da associação. Foi ai então que veio a decepção. A conta estava zerada para o desespero.

No momento da descoberta, Luciana solicitou ao banco copias dos cheques dos quais tinham sidos utilizados para o saque. Então veio a descoberta que sua assinatura tinha sido falsificada pelo capanga Rozendo e pelo irmão do prefeito conhecido como Zaqueu.

Luciana do Campinho denunciou o caso ao Ministério Público que até hoje não deu uma resposta concreta e objetiva sobre o caso.

Resta agora saber qual o posicionamento da Promotoria de Justiça de Bacuri que fechou os olhos diante das graves denúncias?


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

5 comentários em “A horta que não deu frutos em Bacuri no Maranhão”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. Leiliane

    Sou a valor do projeto de Lei do Deputado Alexandre Almeida logo porque na maiorias das escolas são adotados livros que somente são vendidos na escola,um exemplo é a escola em que minha filha estuda.a escola adotou um sistema de ensino(livros) que são vendidos em outro estado…….

  2. elierbet cunha

    oh minha Bacuri você está indo de mau a pior com esses.

  3. elierbet cunha

    eh bacuri tira esses espinhos do teu pé para que tu possas andar melhor!

  4. ELTON CARLOS

    Olha , estou assustado. São meus primos, mas não esperava uma lavada de votos nem que estivessem metidos em tantas fraudes. O povo tem o governante que merece.

  5. Eu mesmo

    “Foi ai que a mando do Prefeito do Município de Bacuri, Washington Oliveira, dois homens de confiança conhecidos como Rozendo e seu irmão Zaqueu Coutinho, os sujeitos tentaram convencer a presidente da Associação a efetuar o saque dos recursos oriundos do Governo do Estado. Sem sucesso!”

    Só não entendi isso: Zaqueu Coutinho é irmão de Rozendo? Não é do Prefeito?

    Imputação falsa de fato típico configura o crime de calúnia, previsto no artigo 138 da Parte Especial do Código Penal. Admite-se a exceção da verdade.

    Princípio da ponderação de valores: direito de liberdade de expressão vs. direito à honra.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários