Maranhão

Urbano Santos vira terra sem lei

A população tentou quebrar a delegacia e invadir para fazer agredir estupradores.

O vídeo acima faz parte da intensa movimentação de moradores da cidade de Urbano Santos, que tentaram invadir a delegacia para fazer justiça com as próprias mãos.

A população está transtornada com a morte de uma criança de 6 anos de idade vítima de estupro. Ela foi encontrada ainda em vida, mas não resistiu quando foi levada para o hospital.

O medo é o reflexo da insegurança que afeta não somente Urbano Santos, mas todas as cidades do Maranhão com o número inexpressivo do efetivo das Polícias Civil e Militar.

Embora não seja de sua responsabilidade, Iracema Cristina Lima Vale, prefeita da cidade, deveria orientar os órgãos competentes, inclusive, cobrar do secretário de Segurança Pública a transferência imediata dos estupradores para São Luís ou presidio mais próximo.

Faltou, sem sombra de duvidas, o papel institucional do poder executivo.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Um comentário em “Urbano Santos vira terra sem lei”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. Ricardo Pinto

    Maisa Não Precisa Morrer Mil Vezes

    Por: Jacqueline Heluy – Jornalista

    Mataram Maisa, uma garotinha de seis anos, no município de Urbano Santos, a 262 Km de São Luís. Ela foi sequestrada, estuprada e, possivelmente, torturada. No domingo, a garota foi encontrada em um matagal, por alguns populares, em estado de choque e agonizando.

    Maisa poderia ter sido abraçada, carregada, aquecida por um lençol. Poderia ter recebido, naqueles últimos momentos de vida, carinho, afagos e palavras de conforto que pudessem acalmar o estado de choque em que se encontrava.

    Mas, a primeira reação das pessoas que encontraram a menina foi gravar um vídeo mostrando o seu rostinho aterrorizado e o corpo trêmulo agonizando no chão daquele matagal. Imediatamente foi postado em blogs e compartilhado em grupos de whatssapp.

    Os estupradores assassinos tiraram a vida de Maisa, mas os frios espectadores que filmaram o seu estado agonizante sem demonstrar nenhum tipo de sentimento e todos aqueles que compartilharam as imagens nas redes sociais também são criminosos porque feriram de morte a dignidade da menina e desrespeitaram a dor da sua família.

    E, para estes dois tipos de criminosos, realmente não há perdão. Que seja feita Justiça. É o que a sociedade espera!

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários