Judiciário

Procuradoria volta a denunciar ex-prefeito de Anajatuba

Prejuízo aos cofres públicos pode ter chegado a R$15 milhões.

O MPF denunciou o prefeito de Anajatuba (MA), Helder Lopes Aragão, secretários municipais, o presidente da Comissão Permanente de Licitação, o assessor jurídico municipal e uma servidora pública e mais seis pessoas. Eles são acusados de fraudar o censo escolar, fraude de licitações e desvio de recursos públicos federais. O prejuízo aos cofres públicos pode ter chegado a R$15 milhões.

Hélder Aragão, afastado do cargo por corrupção.

Hélder Aragão, afastado do cargo por corrupção.

O prefeito e servidores participavam de um esquema de fraude de licitações e desvio de recursos públicos. Por meio do pagamento de vantagens ao prefeito Helder Lopes Aragão e aos servidores do município, uma organização criminosa usava empresas de fachada para participar e vencer as licitações de Anajatuba e desviar os recursos públicos oriundos dos pagamentos dos contratos.

Os contratos envolviam diversos serviços como aluguel de veículos, transporte escolar, construção de estradas realização de shows e eventos e outros. Entre as práticas de fraude estavam a manipulação dos editais, a ausência de informações essenciais sobre os objetos das licitações, omissão quanto às exigências de qualificação técnica necessária, o que desqualificariam as empresas vencedoras e outras condicionantes que sugerem o direcionamento da concorrência.

“Segundo relatório da CGU, Raimundo Nonato da Silva, um dos sócios da empresa A4 Serviços e Entretenimento, atua como motorista de táxi no município de Itapecuru (MA) e possui dois filhos beneficiários do Programa Bolsa Família, o que é absolutamente incompatível com a atividade de sócio-administrador de uma empresa que recebeu, apenas do município de Anajatuba, R$10 milhões.”, afirma a procuradora regional da República Raquel Branquinho.

As investigações apuraram ainda que a secretária de educação e uma técnica de educação fraudaram o censo escolar Educacenso com o objetivo de aumentar os repasses de recursos do Fundeb e do FNDE. Os dados eram retirados do programa Bolsa Família e várias matrículas fictícias foram inseridas no sistema, inclusive, de crianças fora da idade escolar e em escolas que não estavam funcionando.

“Além da vantagem ilícita decorrente do indevido repasse de recursos públicos federais para o município da Anajatuba, necessário destacar outro efeito nefasto dessa prática ilícita que induziu a União Federal em erro. Segundo informado pela CGU, as crianças que tiveram seus nomes indevidamente incluídas na relação de alunos da rede pública municipal ficaram impossibilitadas de frequentar o primeiro ano de creche no exercício de 2015.”, comentou a procuradora.

Questionada sobre a fraude ao censo, a secretária justificou com um erro dos digitadores na inserção de dados no sistema. Com o aumento dos repasses, foi possível incrementar as fraudes às licitações.

“O negócio criminoso era de tal forma rentável que, apenas no ano de 2014, a empresa A4, que é uma empresa de fachada, firmou 5 contratos com a prefeitura de Anajatuba, no valor global de R$2.239.500,00, destinados à prestação de serviços de locação de máquinas e de veículos leves e pesados e transporte escolar sem possuir sequer um veículo em sua propriedade e um empregado registrado.”, explica Raquel Branquinho.

A denúncia aguarda o recebimento pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região.


Acompanhe o Blog do Neto Ferreira também pelo Twitter™ e pelo Facebook.

Um comentário em “Procuradoria volta a denunciar ex-prefeito de Anajatuba”

Se quiser fazer uma citação desse artigo no seu site, copie este link

  1. JOÃO MATA GEREBA

    Nem bem sentou direito na cadeira principal do município de Anajatuba, o prefeito em exercício Sidney Pereira decretou em sua cidade estado de emergência financeira e administrativa pelo prazo de 90 dias. Por esse decreto, ele pode pagar quem bem entender e até criar novo cadastro dos servidores municipais para tirar quem bem entender e colocar os dele, além de contratar empresas sem o devido processo licitatório.

    Preocupada com a forma como o prefeito interino pretende administrar, uma vez que ele foi indiciado pela Polícia Federal por improbidade administrativa usando a influência do cargo de vice em Anajatuba, a Câmara Municipal sustou a vigência do decreto para evitar prejuízos financeiros e administrativos ao município.

    Exercendo a influência de vice, o atual prefeito interino usou o sogro e a sogra para auferir vantagens financeiras com a prefeitura. Segundo investigações da PF, João Everton Matos, sogro de Pereira, recebeu R$ 28 mil da empresa A4 a título de aluguel de veículo fantasma.

    Em outra movimentação bancária, aparece o nome da representante da mesma empresa A4, Natascha Alves Lesch, com o depósito de R$ 24.186,18 para a MJ Ramos Comissionária, que vem a ser a empresa da sogra dele.

    Sidney Pereira foi investigado e indiciado agora neste ano pela PF, embora tenha atuado como delator. O mais interessante em tudo isso é que, ao contrário da Operação Lava Jato, o vice não foi preso e ainda ganhou o direito de assumir o cargo de prefeito. Na Lava Jato o delator é preso, tem a pena abrandada e ainda não pode ocupar cargos públicos e nem negociar com municípios, Estados e União.

Deixe um comentário:

Formulário de Comentários